Busca rápida
por título, autor, palavra-chave, ano ou isbn
 
Charles Baudelaire  
Charles Baudelaire nasceu em Paris, em 1821. Órfão de pai aos cinco anos, passou a infância e a adolescência entre Lyon e Paris, onde a duras penas terminou o liceu. Tendo recebido parte da herança paterna em 1842, entregou-se à vida boêmia, vivendo como dândi, colaborando com jornais e entregando-se ao álcool e aos alucinógenos. Foi nessa época que conheceu a haitiana Jeanne Duval, sua musa e amante, ao mesmo tempo que se engajava na refrega artística e literária, defendendo Delacroix e Balzac, entre outros. Em 1848 Baudelaire tomou parte na revolução que pôs fim ao reinado de Luís Filipe, instaurando a breve Segunda República francesa. No mesmo ano, o poeta começou a traduzir as obras de Edgar Allan Poe e dedicar ensaios ao escritor norte-americano. Em 1857 reuniu sua produção poética no volume As flores do Mal, obra que lhe valeu a fama e uma condenação por imoralidade, culminando na apreensão do livro. Em 1860 publicou Os paraísos artificiais, sobre sua experiência com o ópio e o haxixe, e no ano seguinte saiu a segunda edição das Flores do Mal, expurgada de seis poemas, mas acrescida de 32 novos textos. Publica então seus ensaios estéticos mais maduros, como O pintor da vida moderna (1863), e dedica-se à redação dos poemas em prosa de O spleen de Paris, obra lançada postumamente em 1868. Abatido pela sífilis e perseguido pelos credores, se refugia na Bélgica. Após sofrer um acidente vascular, é levado de volta a Paris, onde falece em 1867.
1  

O spleen de Paris
Pequenos poemas em prosa

Charles Baudelaire

Tradução de Samuel Titan Jr.
Projeto gráfico de Raul Loureiro
 
O spleen de Paris reúne anedotas, reflexões e epifanias, “pequenos poemas em prosa”, de Charles Baudelaire (1821-1867), o poeta por excelência do século XIX. Após As flores do Mal, publicadas em 1857 e 1861, Baudelaire dedicou os derradeiros anos de sua vida a um último projeto: escrever poesia além do âmbito do verso, inspirado por suas andanças pela capital francesa e pelo spleen da cidade, ou seja, pela “melan­colia irritada” que seus becos e habitantes evocavam. Retratando com cumplicidade os personagens miúdos da vida urbana — os pobres e as prostitutas, os velhos e as crian­ças, os saltimbancos sem vintém e os cães sem rumo —, o poeta criou, como observa Edgardo Cozarinsky na apresentação ao volume, uma “galeria de criaturas em que palpita a matéria romanesca”, em cinquenta textos curtos de intensa beleza.
R$ 46,00
 
Flores das "Flores do mal" de Baudelaire

Guilherme de Almeida
Charles Baudelaire

Ilustrações de Henri Matisse
Apresentação de Manuel Bandeira
Posfácio de Marcelo Tápia
 
Reunindo 21 poemas das Flores do mal, obra máxima de Charles Baudelaire, na tradução de Guilherme de Almeida - considerada por muitos uma das mais belas já realizadas em português -, esta edição bilíngue traz ainda uma apresentação de Manuel Bandeira, as notas em que Guilherme de Almeida comenta aspectos de seu trabalho de tradução, um posfácio crítico de Marcelo Tápia e as inspiradas ilustrações de Henri Matisse.
aolp
R$ 54,00

 
     
1  

© Editora 34 Ltda. 2021   |   Rua Hungria, 592   Jardim Europa   CEP 01455-000   São Paulo - SP   Brasil   Tel (11) 3811-6777 Fax (11) 3811-6779