Busca rápida
digite título, autor, palavra-chave, ano ou isbn
 
Arte e arquitetura | Comunicações e cultura contemporânea | Filosofia, estética e ciência
 


 R$ 64,00
         

        frete grátis  (saiba mais)

       




 
Informações:
Site
site@editora34.com.br
Vendas
(11) 3811-6777

vendas@editora34.com.br
Assessoria de imprensa
imprensa@editora34.com.br
Atendimento ao professor
professor@editora34.com.br

Diante da imagem
Questão colocada aos fins de uma história da arte

 

Georges Didi-Huberman

Tradução de Paulo Neves

360 p. - 14 x 21 cm
ISBN 978-85-7326-537-8
2013 - 1ª edição
Edição conforme o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa

O que ocorre quando nos colocamos diante da imagem?
Neste livro, o historiador da arte Georges Didi-Huberman - professor da École des Hautes Études, em Sciences Sociales, em Paris, e autor de dezenas de livros fundamentais, entre eles O que vemos, o que nos olha (Editora 34, 1998) e A imagem sobrevivente (Contraponto, 2013) - recorda que, em francês, voir (ver) rima com savoir (saber), o que sugere que, em nossa aproximação às imagens, o olhar nunca é neutro ou desinteressado.
Diante delas, enlaçamos o visível juntamente com palavras, modelos de conhecimento e categorias de pensamento. De onde vêm esses modelos e categorias? É precisamente essa interrogação, uma espécie de arqueologia crítica da História da Arte, que o autor leva a cabo nestas páginas, analisando em profundidade algumas proposições teóricas de Giorgio Vasari e Erwin Panofsky.
Recorrendo a Freud e seu conceito de Traumarbeit, trabalho do sonho, Didi-Huberman reconsidera os fundamentos dessa disciplina e nos convida a desconfiar do tom de certeza que, em diferentes registros, permeia atualmente o discurso da História da Arte - autorizado, ao que parece, pela acuidade das ferramentas que hoje emprega, a impressionante capacidade de erudição de seus profissionais, a pretensão científica e o papel que desempenha no mercado da arte e nas instituições culturais.
No lugar da certeza que fecha o circuito do visível no legível, o autor de Diante das imagens propõe um princípio de incerteza, uma rasgadura do olhar, que vem à tona, de maneira magnífica, nas observações que tece em torno de obras como o afresco Madona das sombras, de Fra Angelico, no convento de San Marco, em Florença, ou a Rendeira, de Vermeer - dois pontos altos da crítica de arte em nossos dias.


Sobre o autor
Georges Didi-Huberman nasceu em Saint-Étienne, na França, em 1953. É filósofo e historiador da arte. Desde 1990 é professor e pesquisador da École des Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris. Publicou, entre outros, os livros Invention de l'hystérie (1982), Ce que nous voyons, ce qui nous regarde (1992; ed. bras.: O que vemos, o que nos olha, Editora 34, 1998), L'image survivante (2002; ed. bras.: A imagem sobrevivente, Contraponto, 2013) e Quand les images prennent position (2009).




Veja também
O que vemos, o que nos olha
O inconsciente estético
A perspectiva inversa

 


© Editora 34 Ltda. 2017   |   Rua Hungria, 592   Jardim Europa   CEP 01455-000   São Paulo - SP   Brasil   Tel (11) 3811-6777 Fax (11) 3811-6779