Busca rápida
digite título, autor, palavra-chave, ano ou isbn
 
Coleções | Crítica, teoria literária e linguística
 

 R$ 74,00
         




 
Informações:
Site
site@editora34.com.br
Vendas
(11) 3811-6777

vendas@editora34.com.br
Assessoria de imprensa
imprensa@editora34.com.br
Atendimento ao professor
professor@editora34.com.br

Ensaios de literatura ocidental
Filologia e crítica

 

Erich Auerbach

Coedição: Duas Cidades

384 p. - 14 x 21 cm
ISBN 978-85-7326-384-8
2007 - 1ª edição; 2012 - 2ª edição
Edição conforme o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa

Nome fundamental da crítica literária do século XX, Erich Auerbach, autor de Mimesis (1946), aliou a filologia a uma visada múltipla, capaz de colher inspiração tanto na sociologia, na história das ideias e na filosofia, como no curso doloroso do mundo contemporâneo. Em seus ensaios, a leitura cuidadosa das obras se converte numa forma quase artística de indagação da experiência humana na história.
Neste volume os organizadores reuniram quinze estudos publicados entre 1927 e 1954, quase todos inéditos em português. No conjunto, eles cobrem três décadas de tribulação pessoal - da Alemanha natal ao exílio em Istambul e nos Estados Unidos - e toda a gama de temas a que Auerbach se dedicou: a ideia cristã de "estilo humilde", as obras de Dante e Vico, a literatura francesa de Montaigne a Proust - passando por Pascal, Racine, Rousseau e Baudelaire -, e as perspectivas dos estudos literários e do humanismo no contexto de uma cultura globalizada.


Sobre o autor
Erich Auerbach nasceu em 1892, em Berlim, Alemanha. De família burguesa abastada, estudou no Französisches Gymnasium daquela cidade e em 1911 iniciou os estudos jurídicos. Tornou-se doutor em Direito pela Universidade de Heidelberg em 1913 e, no ano seguinte, começou os estudos de Filologia Românica em Berlim. Em outubro de 1914, alistou-se como voluntário para lutar na Primeira Guerra Mundial, quando foi ferido e condecorado. Depois da guerra, retomou os estudos filológicos e doutorou-se três anos mais tarde pela Universidade de Greifswald. Em 1923, casou-se com Marie Mankiewitz, com quem teve seu único filho, Clemens, e no mesmo ano tornou-se bibliotecário na Preussische Staatsbibliothek, em Berlim. Em 1929, sucedeu a Leo Spitzer na cátedra de Filologia Românica da Universidade de Marburg, onde permaneceu até 1935, quando, atingido pelo regime nazista, foi exonerado. Na condição de exilado, voltou a suceder Leo Spitzer em 1936 como professor de Filologia Românica na Universidade de Istambul, Turquia. Durante a Segunda Guerra Mundial, sem acesso a grandes bibliotecas, redigiu Mimesis (1946), obra-prima da crítica literária do século XX. Emigrou para os Estados Unidos em 1947, tornando-se professor da Universidade da Pensilvânia (1948-49), pesquisador do Instituto de Estudos Avançados de Princeton (1949-50) e, em seguida, professor de Teoria Literária e Literatura Comparada na Universidade Yale, onde lecionou até o ano de sua morte. Faleceu em New Haven, Connecticut, em 1957.

Samuel Titan Jr. nasceu em Belém, em 1970. Estudou filosofia na Universidade de São Paulo, onde leciona Teoria Literária e Literatura Comparada desde 2005. Editor e tradutor, organizou com Davi Arrigucci Jr. uma antologia de Erich Auerbach (Ensaios de literatura ocidental) e assinou versões para o português de autores como Adolfo Bioy Casares (A invenção de Morel), Gustave Flaubert (Três contos, em colaboração com Milton Hatoum), Jean Giono (O homem que plantava árvores, em colaboração com Cecília Ciscato), Voltaire (Cândido ou o otimismo), Prosper Mérimée (Carmen), Eliot Weinberger (As estrelas) e José Revueltas (A gaiola).








Sobre o tradutor
Samuel Titan Jr. nasceu em Belém, em 1970. Estudou filosofia na Universidade de São Paulo, onde leciona Teoria Literária e Literatura Comparada desde 2005. Editor e tradutor, organizou com Davi Arrigucci Jr. uma antologia de Erich Auerbach (Ensaios de literatura ocidental) e assinou versões para o português de autores como Adolfo Bioy Casares (A invenção de Morel), Gustave Flaubert (Três contos, em colaboração com Milton Hatoum), Jean Giono (O homem que plantava árvores, em colaboração com Cecília Ciscato), Voltaire (Cândido ou o otimismo), Prosper Mérimée (Carmen), Eliot Weinberger (As estrelas) e José Revueltas (A gaiola).








Veja também
A teoria do romance
Um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica
Escritos sobre mito e linguagem
(1915-1921)
Organização de Jeanne Marie Gagnebin
Ao vencedor as batatas
Forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro

 


© Editora 34 Ltda. 2021   |   Rua Hungria, 592   Jardim Europa   CEP 01455-000   São Paulo - SP   Brasil   Tel (11) 3811-6777 Fax (11) 3811-6779