Busca rápida
digite título, autor, palavra-chave, ano ou isbn
 
Clássicos da literatura
 


 R$ 109,00
         

        frete grátis  (saiba mais)

       




 
Informações:
Site
site@editora34.com.br
Vendas
(11) 3811-6777

vendas@editora34.com.br
Assessoria de imprensa
imprensa@editora34.com.br
Atendimento ao professor
professor@editora34.com.br

Eneida

 

Virgílio

Tradução de Carlos Alberto Nunes
Organização de João Angelo Oliva Neto
Edição bilíngue

896 p. - 16 x 23 cm
ISBN 978-85-7326-550-7
2014 - 1ª edição; 2016 - 2ª edição
Edição conforme o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa

Iniciada em 29 a.C. e publicada dez anos depois, logo após a morte de Virgílio, a Eneida está para o mundo romano como a Ilíada e a Odisseia para o mundo grego - faz o inventário de seus mitos, dá a medida das paixões e dos deveres humanos, instaura uma ética para as relações sociais, inventa um passado coletivo e avança concepções de mundo, de tempo, de afetos e de história que iriam perdurar por mais de mil e quinhentos anos.
Não por acaso Dante elegeu o poeta como seu guia na Divina Comédia e T. S. Eliot afirmou: "Virgílio tem a centralidade do clássico único; está no centro da civilização europeia, numa posição que nenhum outro poeta pode compartilhar".
Atento à excepcionalidade de Virgílio e às características da métrica latina, Carlos Alberto Nunes traduziu a gesta de Eneias de forma rigorosa, inventiva e pioneira: preservou as 9.826 linhas do poema e elegeu um verso de dezesseis sílabas para fazer jus à força épica do original.
Com organização de João Angelo Oliva Neto, da Universidade de São Paulo, esta edição bilíngue inclui uma minuciosa apresentação, inúmeras notas e um resumo das ações de cada um dos doze cantos da obra, entre outros aparatos. O resultado é um volume completo no qual o leitor pode acompanhar as múltiplas dimensões do périplo de Eneias, das ruínas de Troia à gênese da civilização romana.


Sobre o autor
Públio Virgílio Maro (em latim, Publius Vergilius Maro) nasceu nas vizinhanças de Mântua em 70 a.C., de família proprietária de terras. Estudou nas cidades de Cremona, Milão, Roma e, mais tarde, filosofia epicurista em Nápoles na escola de Sirão. Além de três epigramas reconhecidos como obra de juventude, o mantuano é autor das Bucólicas, que retoma os temas pastorais do poeta grego Teócrito (c. 310-250 a.C.); das Geórgicas, que celebra a agricultura e os trabalhos da terra, publicada em 29 a.C.; e da Eneida, "a gesta de Eneias", de que teria lido excertos ao imperador Otaviano mesmo antes de concluí-la. No ano de 19 a.C., faltando apenas os retoques finais nesse grande poema, Virgílio parte para a Grécia com a intenção de conhecer de perto alguns dos cenários mencionados em sua obra, mas, com a saúde sempre precária, adoece e é levado de volta para Bríndisi, morrendo pouco depois de desembarcar.



Sobre o organizador
João Angelo Oliva Neto nasceu em São Paulo, em 1957. É bacharel, mestre, doutor e livre-docente em Letras Clássicas pela Universidade de São Paulo, onde leciona desde 1989. Na pós-graduação da USP desde 2001, dedica-se ao estudo dos gêneros da poesia antiga e sua tradução poética para o português. Verteu, entre outros, a obra do poeta latino Catulo, em O livro de Catulo (1996, Prêmio APCA de Melhor Tradução), e o conjunto de poemas fálicos antigos, Falo no jardim (2006). Organizou a edição das Metamorfoses, de Ovídio, traduzidas por Bocage (2000), além de ter vertido do latim as "Quatro navegações", de Américo Vespúcio, incluídas no livro Novo Mundo: as cartas que batizaram a América (2003).


Sobre o tradutor
Carlos Alberto da Costa Nunes nasceu em São Luís do Maranhão, em 1897. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1920, exercendo a profissão no interior do estado de São Paulo até que, na década de 1950, transferiu-se para a capital, onde trabalhou como médico-legista. Compôs em decassílabos a epopeia Os Brasileidas (1938), os dramas Moema (1950), Estácio (1971) e Beckmann (1975), e a comédia Adamastor (1972). Do alemão traduziu as tragédias Estela (1949) e Ifigênia em Táuride (1964), de Goethe, e, de Friedrich Hebbel, Giges e o seu Anel, Judite e Os Nibelungos (publicadas num único volume em 1964); do espanhol verteu A Amazônia, do uruguaio Edgardo Ubaldo Genta (1968). Além da Eneida, publicada pela primeira vez em 1981, traduziu ainda o teatro completo de Shakespeare em 21 volumes (1955); a Odisseia (1941) e a Ilíada (após 1945), de Homero; e a íntegra dos Diálogos de Platão, publicados entre 1973 e 1980. Foi membro da Academia Paulista de Letras e faleceu na cidade de Sorocaba, SP, em 1990.


Veja também
Odisseia
A Divina Comédia (3 vols.)
Medeia

 


© Editora 34 Ltda. 2017   |   Rua Hungria, 592   Jardim Europa   CEP 01455-000   São Paulo - SP   Brasil   Tel (11) 3811-6777 Fax (11) 3811-6779