Busca rápida
digite título, autor, palavra-chave, ano ou isbn
 
Poesia
 

 R$ 39,00
         




 
Informações:
Site
site@editora34.com.br
Vendas
(11) 3811-6777

vendas@editora34.com.br
Assessoria de imprensa
imprensa@editora34.com.br
Atendimento ao professor
professor@editora34.com.br

Visão do térreo

 

Ruy Proença


112 p. - 12 x 18 cm
ISBN 978-85-7326-389-3
2007

Como observa a crítica Maria Betânia Amoroso, nos poemas de Ruy Proença o eu-lírico se move no "intervalo entre morrer e fazer poesia" - daí o sentimento paradoxal de sobriedade e liberdade imagética que caracteriza boa parte deste Visão do térreo. Não por acaso, o amor, a morte, os ferimentos visíveis e os invisíveis afloram com frequência em seus versos. Um bom exemplo encontra-se em "A invisível cicatriz": "nascer/ é ser novinho em folha/ e já deixar cicatriz// viver/ é cobrir os outros/ de cicatrizes/ e ser coberto// mas nem tudo/ são cicatrizes// algumas incisões/ definitivamente/ não se fecham// por isso/ aliás/ morremos".
        A melancolia, porém, aparece muitas vezes associada ao humor. Como no divertido "Classificados", em que o poeta divaga por uma página dos classificados do jornal, criando um jogo surpreendente de significados, e em "O Tietê não vai ao mar", paródia de um poema de Ricardo Reis, heterônimo de Pessoa. Mas a certeza do fim não dá sossego ("Ontem/ a morte ceifou/ mais um de nós"), o que faz com que não raro a poesia de Ruy alcance um tom apocalíptico: "Fones de ouvido verterão/ o chumbo quente das canções/ do hit-parade do inferno". Em tais circunstâncias, a beleza - sempre difícil - surge nos pequenos detalhes inesperados. Não será esse o lugar da poesia no mundo contemporâneo?


Sobre o autor
Ruy Proença nasceu em 9 de janeiro de 1957, na cidade de São Paulo. Participou de diversas antologias de poesia, entre as quais se destacam: Anthologie de la poésie brésilienne (Chandeigne, França, 1998), Pindorama: 30 poetas de Brasil (Revista Tsé-Tsé, nº 7/8, Argentina, 2000), Poesia brasileira do século XX: dos modernistas à actualidade (Antígona, Portugal, 2002), New Brazilian and American Poetry (Revista Rattapallax, nº 9, EUA, 2003), Antologia comentada da poesia brasileira do século 21 (Publifolha, 2006), Traçados diversos: uma antologia da poesia contemporânea (organização de Adilson Miguel, Scipione, 2009) e Roteiro da poesia brasileira: anos 80 (organização de Ricardo Vieira de Lima, Global, 2010). Traduziu Boris Vian: poemas e canções (coletânea da qual foi também organizador, Nankin, 2001), Isto é um poema que cura os peixes, de Jean-Pierre Siméon (Edições SM, 2007) e Histórias verídicas, de Paol Keineg (Dobra, 2014). É autor dos livros de poesia Pequenos séculos (Klaxon, 1985), A lua investirá com seus chifres (Giordano, 1996), Como um dia come o outro (Nankin, 1999), Visão do térreo (Editora 34, 2007) e dos poemas infanto-juvenis de Coisas daqui (Edições SM, 2007).



Veja também
Poeira
A história dos ossos
Baque

 


© Editora 34 Ltda. 2021   |   Rua Hungria, 592   Jardim Europa   CEP 01455-000   São Paulo - SP   Brasil   Tel (11) 3811-6777 Fax (11) 3811-6779