Busca rápida
digite título, autor, palavra-chave, ano ou isbn
 
Clássicos da literatura | Literatura estrangeira
 


 R$ 42,00
         

        frete grátis  (saiba mais)

       




 
Informações:
Site
site@editora34.com.br
Vendas
(11) 3811-6777

vendas@editora34.com.br
Assessoria de imprensa
imprensa@editora34.com.br
Atendimento ao professor
professor@editora34.com.br

Carmen

 

Prosper Mérimée

Tradução de Samuel Titan Jr.
Ilustrações de Pablo Picasso
Projeto gráfico de Raul Loureiro

136 p. - 15,5 x 22,5 cm
ISBN 978-85-7326-584-2
2015 - 1ª edição
Edição conforme o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa

A fama a precede, e ela é a primeira a sabê-lo. Tão logo entra em cena, a moça pergunta: "Já ouviu falar de Carmencita?". E a verdade é que todos nós já ouvimos falar da bela boêmia muito antes de conhecê-la - ou, mais precisamente, muito antes de conhecê-la sob os traços que lhe emprestou Prosper Mérimée em Carmen, novela publicada em outubro de 1845 na Revue des Deux Mondes. De fato, a cigana não demorou a passar das páginas aos palcos e destes às telas. Primeiro veio a ópera do compositor Georges Bizet: Carmen logo se converteu numa das óperas mais encenadas do repertório lírico, contando com Friedrich Nietzsche e Otto von Bismarck entre seus admiradores. Depois foi a vez do cinema, com inúmeras adaptações, assinadas pelos diretores mais diversos, de Chaplin e Lubitsch a Saura e Godard. Nesse trânsito da literatura à ópera e ao cinema, a personagem foi se descolando do original impresso para seguir carreira própria, com notório sucesso.
Mas o estrelato tem lá o seu preço. Justamente porque a reconhecemos sem demora como encarnação da femme fatale, a figura esquiva e movediça criada por Mérimée foi se fazendo frontal e inequívoca. A boêmia tornou-se familiar, o que não deixa de ser uma situação insólita para quem, como ela, sempre se recusou terminantemente a constituir família. Já não nos intrigamos mais, já não tentamos decifrá-la. Num certo sentido, Carmen - a personagem - foi se tornando ilegível na mesma medida em que multiplicava seus avatares. Para voltar a lê-la, é preciso devolvê-la a um texto, é preciso reler Carmen - a novela de 1845.


Sobre o autor
Prosper Mérimée nasceu em Paris, em 1803, numa família ligada às artes: a mãe, Anne, dava aulas particulares de desenho; o pai, Léonor, ensinava a mesma disciplina na École Polytechnique, além de ocupar um cargo diretivo na École des Beaux-Arts. Aluno do liceu Henri IV e da Faculdade de Direito, Mérimée conviveu desde cedo com os círculos do romantismo francês, travando uma amizade decisiva com Stendhal. Depois de se formar, em 1823, ensaiou os primeiros passos nas letras, numa veia romântica tingida de ironia e concisão já notáveis. Em 1825, publicou Le Théâtre de Clara Gazul, coletânea de peças curtas; seguiram-se outras peças, de teor histórico, rematadas em 1829 por um romance à maneira de Scott, Chronique du temps de Charles IX. Nesse mesmo ano, Mérimée aventurou-se no gênero que o consagraria, o conto: "Mateo Falcone", publicado na Revue de Paris em maio de 1829, foi logo sucedido por outros mais, como "Le Vase étrusque" e "La Partie de tric-trac". Em 1830, fez uma longa viagem à Espanha, onde colheu alguns dos temas e ambientes fundamentais de Carmen, visíveis nas Lettres d'Espagne que publicou no ano seguinte. De volta à França, Mérimée entrou para o serviço público, e em 1834 assumiu o posto de inspetor geral dos monumentos históricos, cargo que desempenhou até 1860. O trabalho inspirou duas das narrativas mais conhecidas de Mérimée, La Vénus d'Ille (1837), repleta de chistes arqueológicos, e Colomba (1840), ambientada na Córsega. As atenções de Mérimée foram se deslocando aos poucos da literatura para a historiografia antiga: em 1841, publicou um Essai sur la guerre sociale, dedicado às guerras civis em Roma; em 1844, foi a vez de outro volume sobre a Conjuration de Catilina. As duas obras lhe valeram a eleição para a Académie Française, em 1844. A seguir dedicou-se à biografia de dom Pedro I, rei medieval de Castela, lançada entre 1847 e 1848. Foi no âmbito desses estudos espanhóis que Mérimée concebeu Carmen, sua obra-prima narrativa, publicada na Revue des Deux Mondes em 1 de outubro de 1845 (sem a parte IV, incluída a partir da edição em livro de 1847). Daí em diante, sua criação literária assumiu proporções mais modestas, com cinco relatos apenas entre 1846 e 1870, de extensão e qualidade variáveis. No fim da vida, com problemas de saúde, Mérimée refugiou-se em Cannes, onde faleceu em 23 de setembro de 1870, sem deixar herdeiros.


Sobre o tradutor
Samuel Titan Jr. nasceu em Belém, em 1970. Estudou filosofia na Universidade de São Paulo, onde leciona Teoria Literária e Literatura Comparada desde 2005. Editor e tradutor, organizou com Davi Arrigucci Jr. uma antologia de Erich Auerbach (Ensaios de literatura ocidental, 2007) e assinou versões para o português de autores como Adolfo Bioy Casares (A invenção de Morel, 2006), Gustave Flaubert (Três contos, 2004, em colaboração com Milton Hatoum), Voltaire (Cândido ou o otimismo, 2013) e Prosper Mérimée (Carmen, 2015).




Veja também
O sermão sobre a queda de Roma
Cândido ou o otimismo
A melancolia diante do espelho

 


© Editora 34 Ltda. 2017   |   Rua Hungria, 592   Jardim Europa   CEP 01455-000   São Paulo - SP   Brasil   Tel (11) 3811-6777 Fax (11) 3811-6779